Guilherme Bonfanti | A Performatividade da Luz no Espetáculo Teatral Disparis

A Performatividade da Luz no Espetáculo Teatral Disparis

Resumo:

O presente artigo pretende relatar a comunicação que teve como objeto a apresentação da análise do projeto de iluminação do espetáculo teatral Disparis sob o prisma do neófito conceito da Performatividade da Luz, desenvolvido pela autora como estudo da pesquisa de mestrado e apresentado ineditamente no último congresso da ABRACE. Para tanto, esclarece inicialmente alguns conceitos fundamentais para sua compreensão e estabelece, em seguida, alguns de seus principais preceitos e características.

 

O tema desta comunicação, que integra e complementa e instalação apresentada na Exposição Performeios, do mesmo evento, é a performatividade da luz no espetáculo teatral Disparis. Seu principal objetivo foi demonstrar a interação da luz com os outros elementos e linguagens da cena, bem como sua interferência na atuação e na recepção do espetáculo. No entanto, antes de entrar no tema propriamente dito, foi preciso expor e consolidar alguns conceitos fundamentais para a compreensão deste novo conceito de “performatividade da luz”, para só então poder abordá-­lo especificamente em relação ao projeto de iluminação criado para a peça teatral em questão. E digo consolidar verdadeiramente no sentido de tornar sólido, palpável, real. Consolidar no sentido de assegurar o entendimento, a assimilação e a incorporação desses conceitos no agir cênico, tanto na atuação performativa do ator, bailarino ou músico como performers, mas também no papel desempenhado pelo cenário, sonoplastia, figurinos, adereços e demais elementos sensoriais da cena e seus agentes como coadjuvantes no estabelecimento da ambientação cênica do espetáculo.

 

Em uma recente conversa, provocativa e instigante, com a professora da antiga disciplina de Interpretação Teatral, hoje PINC – Projeto de Investigação da Cena com foco na preparação de atores, eu fui desafiada a elaborar um plano, que pretendo colocar em prática muito em breve, quem sabe já na Mostra de Teatro da FAP deste ano, de experimentação com luz. Pretendo poder exercitar com ele esta profícua relação que parece existir entre a iluminação e a cena, ou seja, entre operador de luz e ator, os performers responsáveis por elas, respectivamente. Além desta, é possível considerar ainda a relação da luz com os outros elementos sensoriais da cena que atinjam o espectador e colaborem para sua experiência perceptiva, como o som, cenários e tantos outros possíveis.

 

Quais seriam, então, esses conceitos fundamentais para que se entenda a questão da performatividade da luz e os efeitos que ela pode ter na atuação e sobre a recepção? São cinco conceitos imprescindíveis para perceber a potencialidade da interferência da luz no trabalho do performer e seus efeitos sobre o espectador no ato da recepção, ou seja, sua capacidade comunicativa e informativa potencializadas pela sua ação performativa. Isso porque pretende-­‐se que a luz seja potencialmente comunicativa, que tenha potencial informativo e que esse potencial seja amplificado com a possibilidade de atuação performativa da luz na cena. Eu penso que a ação informativa e sensorial da luz só se efetiva nessa performatividade, ou seja, na possibilidade de “estar” ativamente em cena, na possibilidade de contracenar com o ator, na possibilidade de “ser” ambiente para determinada cena, na possibilidade de interagir com a cena, dialogar com os outros elementos que se encontram no palco, sobretudo a sonoplastia e o performer, mas também o cenário, o movimento, o gesto, entendendo elemento como qualquer significante compositor da cena. E é nessa interação, nessa atuação ou performance que revela-­‐se seu verdadeiro potencial informativo, comunicativo e sensorial.

 

Existem, portanto, alguns princípios que precisam ser compreendidos antes que o conceito de performatividade da luz possa ser introduzido, para que só depois seja possível abordar a atuação específica da luz e a sua performatividade expressa no espetáculo teatral Disparis:

 

1. Lighting Design

O primeiro é o conceito de Iluminação Cênica como design, no sentido de que, apesar de ser um produção artística, envolve, além da inspiração criadora, a concepção intencional de um significante, ou seja, a elaboração de uma informação ou estímulo sensorial, considerando o acepção da iluminação e do teatro como comunicação no sentido de que a luz deva ser planejada, projetada e concebida ou elaborada, nos preceitos do design a partir de seus fundamentos e princípios próprios, com esse objetivo. Para Dondis5, toda criação ou reprodução pressupõe, antes de tudo, um intensão, principalmente depois do advento da fotografia e do cinema, que fizeram com que ver significasse também compreender. Dessa forma, fica fácil compreender que, se a iluminação cênica é também informação que deve ser percebida, sentida e compreendida pelo espectador precisa, para tanto, ser elaborada por seu criador, o designer, em pleno exercício de criação e elaboração da mensagem

 

2. Alfabetismo Visual

Em segundo lugar está a questão do alfabetismo visual, também defendido por Dondis, na perspectiva da necessidade do preparo, do conhecimento indispensável ao designer para a elaboração de uma mensagem visual, bem como da ampliação da capacidade de ver, cujo desenvolvimento expande também a capacidade de criar ou compreender uma mensagem visual na expressão gráfica bi ou tridimensional e na recepção.

 

3. Cenografia

Em seguida, é importante assimilar o conceito de cenografia no sentido de “grafia da cena”, ou seja, como o conjunto de elementos significantes que compõem a expressão gráfica da cena, que seria sua expressão máxima através das linguagens cênicas empregadas. A cenografia como ambientação sensorial do espetáculo, ou ainda, como define Luciana Bueno, uma “resposta narrativa e gráfica à dramaturgia, cenografia como a ambiência que envolve qualquer encenação ou espetáculo, seja ele musical, teatro, dança ou outro acontecimento cênico. Eduardo Tudella… A[l]berto nº 3

 

4. Recepção Ativa

Quase por fim, a questão da recepção, cuja compreensão foi muito transformada ao longo do século passado e firmada como atividade participativa do espectador com o advento do pós-­‐dramático, quando perdemos a pretensão do domínio sobre o que é percebido e interpretado pelo público. A interferência e co-­‐autoria do espectador na cena contemporânea foi estudada e defendida por diversos autores e permitiu chegar à consciência de que o artista não detém poder ou qualquer domínio sobre a porção ou maneira como o que produz é recebido ou interpretado pelo espectador. O público interfere no que vê, recebe ou percebe do espetáculo, pois com seu repertório, experiência, predisposição e entrega durante o ato da recepção, que mesmo que fisicamente passiva, revela-­‐se sempre mental e subjetivamente ativa.

 

Nesse sentido, três teorias recentes evidenciam a relação estabelecida entre a obra de arte e o espectador. Carmen Valdez apresenta uma nova comunicação entre a cena aberta, característica do pós dramático, e o espectador, no processo semiótico da recepção teatral, ao relacionar os conceitos de bricolagem, de Lévi-­‐ Strauss; pós-­‐dramático, de Lehmann; obra aberta de Umberto Eco e a semiótica da recepção teatral de De Marinis. A segunda teoria é a leitura criativa, de Merleau-­‐Ponty, apresentada por Marilena Chauí, na qual a obra, quando dada por concluída ou “pronta” para ir à público pelo artista, ainda se encontra por fazer, por ser fecundada por este público. Para Chauí, na diferença entre acontecimento e advento, este segundo ocorre quando a obra acabada dá a pensar, a dizer ou fazer pelo espectador. Ela se dá a refazer pelo outro, se apresenta como obra aberta, fecunda. Por fim, Rancière apresenta sua teoria do espectador emancipado ao questionar a oposição entre olhar e agir.

 

Olhar é também uma ação […]. O espectador também age […], ele observa, seleciona, compara, interpreta. Relaciona o que vê com muitas outras coisas que viu em outras cenas, em outros tipos de lugares. Compõe seu próprio poema com os elementos do poema que tem diante de si. Participa da performance refazendo-­‐a à sua maneira […], são espectadores distantes e intérpretes ativos do espetáculo que lhes é proposto.17

 

5. Performance

Finalmente, assumir a efetivação desse conceito de recepção torna imperativo citar o de performance, defendido por Schechner a partir do estudo das enunciações performativas da vida real de Austin, aplicadas depois às artes plásticas, e da origem ritual da performance em consonância com as pesquisas do antropólogo Victor Turner. Este é um conceito já muito mais assimilado e que conduz aos mais recentes de performatividade e teatralidade, sobre os quais é possível encontrar diversos estudos e escritos de autores nacionais e estrangeiros. O conceitos de performance e performatividade estão disponíveis para estudo em uma vasta bibliografia disponível em português.

 

Considerando esses conceitos sedimentados e entendidos, é possível vislumbrar com mais clareza o delineamento do conceito de “performatividade da luz”, cujos pressupostos principais podem ser expostos como sendo:

 

Depois destes conceitos elucidados e, quiçá, assimilados, considerando inclusive o neófito de “performatividade da luz”, é possível analisar, sob esse prisma, o projeto de iluminação do espetáculo teatral Disparis, cuja atuação é classificada como performativa a partir da interação e das interferências que estabelece com os diferentes elementos componentes da encenação. Em primeiro lugar, há uma relação com a dramaturgia do espetáculo que, por ser apresentado em uma estrutura de lounges no lugar da plateia, propunha ao espectador a impressão de estar na sala de estar dos protagonistas da trama, conforme registrado pela imprensa local: “A trama se passa dentro da casa onde mora o casal e o publico será acolhido em lounges formados por poltronas, sofás, cadeiras e mesinhas, que simulam a sala de estar dos personagens, integrando de forma direta, o espectador ao espetáculo.” A respeito da recepção da obra literária, Zumthor apresenta um interessante estudo sobre a interferência do meio e da ambiência na interpretação e assimilação da obra. Para ele, a maneira como se dá a relação de audição ou leitura de uma obra, se em pé, sentado, concentrado ou disperso, influi diretamente na recepção frente ao poético. A narrativa e a condução das cenas também contribuíam para o ambiente de cumplicidade com o espectador e a luz participava iluminando igualmente, ainda que em intensidades diferentes, palco e sala, colaborando, assim, para essa integração. Além disso, ao utilizar fontes de luz difusas e acompanhar a intensão das cenas iluminando-­‐as de forma cruzada e não frontal, a luz provocava o arrefecimento da ação contemplativa do público, intensificando e estimulando sua participação emotiva e reativa.

 

Além de integrar palco e sala, a luz também interagia com a dramaturgia ao conduzir a narrativa através de cenas mais abertas ou fechadas, do detalhamento de elementos cênicos como objetos, rostos, gestos ou movimentos, da teatralidade e angulação da luz para destacar intenções e expressividades e da conotação simbólica da luz que revela ou oculta cenas, emoções, sentimentos e realidades dos personagens através da persiana. A cenografia, se considerada em seu aspecto visual da cena, composta de cenários, luz e figurino, apresentava, com seu estilo e formatação simbólica, o habitat de sofisticação e luxo dos personagens, em alto contraste com a situação ordinária e conflituosa do drama encenado. Ao criar uma ambientação doméstica intimista, a cenografia também colaborava para o reconhecimento e familiaridade do público.

 

Durante a preparação do jantar, às vésperas da festa de aniversário dele, o casal resolve discutir a relação, desgastada pelo ciúme e pela falta de afeto. Da plateia, acomodado em poltronas e sofás, o publico assiste a tudo, como se estivesse na sala de visitas dos personagens […] A reconstituição de um ambiente domiciliar, compartilhado pelo público, subverte a máxima de que entre quatro paredes tudo é sigiloso.

 

As persianas do cenário favoreciam, junto com a iluminação, a sensação de voyeurismo, de invasão de privacidade e de participação inativa nas cenas, sobretudo as que apresentavam maior cunho erótico ou dramático, à frente ou atrás das quatro persianas que conformavam todo o fundo do palco.

 

Projeto.cdr

 

Para que esse efeito cênico efetivamente acontecesse era fundamental haver uma interação entre esse elemento cenográfico, os atores que a manipulavam em cena e a luz, que ora iluminando à frente e ora atrás da cortina, mostrava, escondia ou revelava parcialmente os conflitos e cenas através da dualidade entre opacidade e transparência criadas pela movimentação das persianas. Quando fechadas, ainda permitiam o uso da silhueta, que valoriza formas, movimentos e gestos, e quando abertas proporcionavam, dependendo do grau de inclinação da pás, maior ou menor visibilidade das cenas, ou seja, uma sutil gradação na participação do público como voyeur ativo das situações encenadas.

 

A clareza da visualidade geral do espetáculo, nas cores prata, branco e preto, com poucas intervenções de elementos vermelhos (taças, flores e unhas) sutilmente inseridas, era confirmada pela luz, que apenas aquecia ou resfriava os ambientes, através do uso de filtros de correção, de acordo com a dramaticidade das cenas. Ângulos e luzes indiretas, rebatidas na bancada de aço, na mesa de vidro e nas persianas brancas, também ajudavam a criar a luminância difusa que cada cena exigia. Nesse mesmo sentido, a sonoplastia também interagia em conformidade com as cenas, suavizadas pelo ambiente sonoro criado por músicas do estilo lounge ou valorizadas pelas músicas especialmente compostas para o espetáculo, cujas letras e musicalidades compunham coerentemente cada situação dramática.

 

Fica evidente, com isso, a atuação performativa da luz, sem a qual não haveria a mesma reação e comprometimento do público. Em consonância com todos os outros elementos da encenação, a luz “performa” seus efeitos e atinge os resultados almejados na recepção criativa do espectador, que a recebe conforme suas próprias experiências e reage a ela de acordo com os sentimentos que provoca. A ação performativa da luz também fica evidenciada no virtuosismo da operação da luz em permanente sincronia com a marcação das cenas, as intensões dramáticas, a sonoplastia e a movimentação e gestos dos atores, garantindo o envolvimento e a implicação do espectador nos acontecimentos cênicos.

 

Comprova-­‐se, assim, a performatividade ativa da luz na relação firme e coesa estabelecida com todos os demais elementos da encenação, incluso o público espectador.

 

Instalação na exposição Perfomeios

O desafio de conceber e preparar uma instalação artística a partir deste projeto para demonstrar, numa exposição interativa, as qualidades e características performativas do projeto de iluminação do espetáculo Disparis permitiu uma nova investigação de seus conceitos e elementos compositivos. As principais propostas da exposição interativa Performeios, parte integrante do evento Conexão II, do qual fez parte essa comunicação, eram: a simultaneidade das obras apresentadas; a interação do público, que deveria poder tocar, interferir e interagir com as obras; a forma inusitada e singular de apresentação das obras e a possibilidade de interferência espacial e sonora incontida entre elas.

 

A experiência resultou em uma instalação na qual a interação e a interferência do público espectador da encenação original foi substituída, de forma amplificada, pela interação real proporcionada ao visitante da exposição. A instalação foi concebida a partir da criação de um filme com a montagem de cenas representativas da iluminação da peça que seria projetado em uma persiana suspensa. Ao atravessar essa persiana, a imagem projetada era entrecortada pela sombra da persiana, tornando-­‐se mais ou menos nítida pelo posicionamento da pás que, conforme o grau de abertura, permitiam maior ou menor visibilidade das cenas que, por sua vez, também apresentavam maior ou menor grau de ação, dramaticidade ou erotismo.

 

Projeto.cdr

 

 

 

A interação do visitante da exposição com a projeção ocorria desde sua ação direta sobre a abertura da persiana e o ajuste do foco da imagem projetada, alternável entre a parede distante e a persiana próxima ao projetor, até a interposição de sua própria imagem à frente da projeção, interferindo ou obstruindo-a completamente. Havia ainda uma interação latente deflagrada pela visibilidade e o tamanho da imagem projetada através da persiana, transformando a impressão de participação presencial, por estar dentro da casa dos personagens experimentada pelo público ao assistir a peça original, na sensação do voyeurismo de observar de longe, através de uma janela, as cenas de intimidade, paixão, conflito ou fúria do casal. Essa impressão produzida por todos esses efeitos reais ou ilusórios, característicos de um olhar externo, de invasão de privacidade e espionagem, era ainda reforçada pelo baixo volume em que operava o som da cena no ambiente e pela interferência dos ruídos das outras obras expostas. A possibilidade de regular o grau das frestas e o movimento criado pela persiana suspensa também favoreciam a percepção da cena projetada como algo espreitado ou visto sem permissão.

 

A experimentação deste novo conceito de “performatividade da luz” durante o processo de criação e execução da luz do espetáculo Disparis já havia sido muito gratificante, mas poder exercitá-­‐lo na exposição Performeios e apresentá-­‐lo novamente ao público suplantou a experiência original e reforçou ainda mais a capacidade performativa deste projeto, selecionado para representar o Brasil na edição 2013 do WSD – World Stage Design que acontecerá em Cardiff, no Reino Unido, em setembro deste ano, na categoria de Iluminação Cênica (Lighting Design).

 

Como conclusão desta comunicação, vou me permitir compartilhar duas perguntas que me foram feitas quando esbocei, pela primeira vez, o conceito de performatividade da luz em um artigo desenvolvido para um dos créditos do mestrado. A primeira dizia respeito à intenção de comparar o trabalho do iluminador ou do operador de luz ao do ator e a segunda à relativização da importância do trabalho de ambos numa montagem ou encenação. Quanto à primeira, posso dizer que considero, sim, o operador de luz como um performer da cena, ou seja, um intérprete, assim como o ator, o músico ou o bailarino.

 

Considero-­‐o um profissional que, através da técnica e domínio de determinada linguagem ou forma de expressão, seja capaz de reproduzir o resultado da criação artística de um dramaturgo, encenador, coreógrafo, compositor e, porque não, do iluminador, materializando sua criação. Ao se colocar no palco, atuando, agindo e interagindo, contracenando com os demais performers da cena, ele executa sua performance com ações, efeitos, movimentos e gestos luminosos, cuja presença e precisão são tão fundamentais para a cena quanto qualquer outra atuação cênica no palco. Esse desempenho representa o que considero e defendo como “performatividade da luz”, ou seja, a apresentação, representação ou reprodução de uma expressão artística, de uma linguagem, do fruto da criação de uma obra de arte, a luz cênica.

 

Download do projeto

 

Tags
Recent Comments
Leave a comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *