Guilherme Bonfanti | A Luz Natural e o Teatro

A Luz Natural e o Teatro

1. Introdução

Quando deparados com o tema A luz natural e o teatro, é compreensível que muitos se sintam um tanto
inquietos diante da dificuldade do tema. Afinal, a primeira noção que se tem acerca do assunto é que se
trata de uma fonte não manipulável e inconstante. Portanto, inapropriada para o ofício cênico, onde se
assume a necessidade de um desenho de luz que dialogue com a cena em questão.

Contudo, cabe uma análise mais aprofundada do tema, visto sua utilização, tanto histórica quanto
contemporânea, nas artes cênicas e, por vezes, com resultados surpreendentes.

A partir de nossas pesquisas, chegamos a alguns questionamentos, particularmente a respeito da própria
definição do conceito. Pode ser considerada luz natural:

 

Não nos propomos aqui a trazer respostas absolutas acerca do assunto, mas acreditamos que nossos exemplos
e casos expostos trarão à tona algumas das problemáticas a respeito do tema a fim de suscitar novas discussões.

Para tanto, começamos o trabalho fazendo um apanhado geral do histórico da luz natural no teatro. Partimos
então para uma discussão contemporânea feita por meio de um estudo de caso e propomos um método de
uso inspirado pelas artes plásticas. Por fim, coletamos opiniões e experiências de alguns profissionais das
artes pra que eles também pudessem contribuir para o desenvolvimento do assunto.

 

2. Um breve panorama histórico

2.1. O teatro grego

Quando iniciamos nossa pesquisa, notamos um elemento persistente: toda vez que se fala da utilização da
luz natural como elemento cênico, incorre-se na citação do teatro grego como exemplo.

É sabido que houve manifestações artísticas que poderiam ser compreendidas como teatro muito antes dos
gregos. Podemos remontar alguns desses trabalhos aos egípcios ou até mesmo aos mesopotâmios, embora
fossem em si rituais religiosos.

Entretanto, foi com os gregos que se estabeleceram as bases de muitos dos conceitos que hoje adotamos e
continuamos a reproduzir. Ainda vemos, no teatro grego, uma forte relação da encenação com a religião,
mas nota-se também o início da relação desta com a polis (povo).

Sendo esse um tema tão recorrente, optamos por pesquisá-lo um pouco mais a fim de trazer à luz algo além
do cânone estabelecido sobre o assunto.

 

2.1.1. Dos antecedentes

Para um panorama geral das condições em que se dava o teatro grego, citamos a mestra Cibele Forjaz:

O teatro grego, de origem religiosa e campestre, originou-se, segundo uma das versões, do culto a Dionísos, os ritos de
fertilidade dos sátiros dançantes. Essa festividade rural é trazida dos campos para as cidades por volta de 539 a.C. (por
Téspis) e é a partir desta época que o Estado Grego tomou a si a organização do teatro, instituindo concursos entre os
poetas dramáticos – As Dionisíacas. Com origem na época de Péricles, As Grandes Dionisíacas aconteciam na Cidade-
Estado de Atenas por seis dias seguidos no mês de março, e duravam a cada dia o tempo do percurso do sol. O público
chegava ao nascer do sol, vestido de branco e as apresentações iam até o anoitecer. No fim do dia o cortejo voltava a Atenas
sob a claridade das tochas.

Um dado pertinente a ser observado é a já citada relação do teatro com a religião nesse período.
Principalmente se considerarmos o caráter politeísta dessa religião, com deuses representando os vários
elementos naturais que cercavam os presentes, parece natural pensar numa grande encenação a céu aberto
e de dia, onde o contato com esses elementos pode ser explorado nos mais diversos sentidos.

 

2.1.2. Da espacialidade

A estrutura formal básica do teatro grego, em sua fase já instituída pelo Estado, dá-se na forma de anfiteatro
a exemplo do mais famoso, o teatro de Epidaurus.

Projeto.cdr

 

 

Da imagem, podemos distinguir ao menos três áreas fundamentais deste espaço:

 

2.1.3. Da relação espaço/luz

A ideia largamente aceita nos dias atuais considera que os teatros gregos foram construídos de forma ao sol,
nascendo no leste e pondo-se a oeste, manter-se sempre às costas do público e iluminando a cena.

Citamos o Prof. Hamilton Saraiva:

Imaginemos o sol nascendo no horizonte, cheio de matizes, numa bela manhã de verão, o céu totalmente limpo. À nossa
volta, milhares de pessoas atentas, sentadas em arquibancadas de pedra de um anfiteatro enorme. O sol, já nascendo quase
à nossas costas, ilumina suavemente os morros à nossa frente e as copas das árvores mais altas que divisamos logo após
a cena (em grego, skené). Lá em baixo, entram as pessoas do coro no proscênio (proskênion), com suas batas esvoaçantes.
(…) O coro inicia sua função! Estamos em Epidauro, um grande teatro na Grécia em 408 a.C. e vamos comungar
religiosamente a representação da tragédia ‘Orestes’, do dramaturgo Eurípides. O iluminador deste espetáculo é o Grande
Arquiteto do Universo (Zeus), com o magnífico Sistema de Luz operado por Hélios (o Sol).

Portanto, admite-se uma ideia de que os gregos teriam pensado a relação de suas construções em relação à
geografia local de forma a tirar maior proveito da luz solar.

Contudo, deparamo-nos com a dissertação de Mauricio Ferreira Cardoso que nos traz uma análise diferente:

O céu sobre a Grécia é muito diferente do céu no sudeste brasileiro. Tal afirmativa pode parecer óbvia, e de fato é. Mas
foi partindo de princípios aparentemente óbvios quanto à utilização do espaço físico, principalmente em relação ao sol, e
apoiado em consultas realizadas por pesquisadores do Museu de Astronomia, que concluí que o posicionamento ideal dos
teatros gregos seria com o palco ao norte. O eixo do planeta apresenta uma inclinação de 23º em relação à sua órbita ao
redor do Sol, fazendo com que, no hemisfério norte, o Sol mova-se de leste a oeste, mas percorrendo esse caminho ao sul.
Deste modo, a luz projetada por nosso astro estaria direcionada à cena como um imenso refletor. Em virtude do ângulo de
azimute na Grécia, nos meses dos festivais – dezembro, janeiro e março – conforme ilustrações abaixo, o percurso do sol
nunca atingiria uma posição perpendicular como ocorre nas cercanias do Trópico de Capricórnio.

Adiante em sua pesquisa, Cardoso nos revela que um grande número desses teatros antigos foi construído com
o palco ao sul, contrariando suas expectativas. De acordo com a lógica empregada em sua pesquisa, nessas
épocas específicas do ano, o sol estaria diretamente apontado para o público e não para a cena como esperado.

Alguns desses teatros nem sequer teriam seus palcos obedecendo ao eixo norte/sul, mas posicionados no
eixo leste/oeste, admitindo outra lógica em sua elaboração.

A conclusão de seu trabalho nos leva a crer que a crença anteriormente aceita de que os teatros gregos
teriam sido construídos de forma a usufruir de um perfeito aproveitamento da luz natural é infundada.

Em nossas pesquisas, chegamos a uma série de argumentos que justificariam o posicionamento dessas
construções, mas todos da ordem da acústica, variando desde a direção dos ventos, o uso de encostas, ao
material de que eram feitas as arquibancadas do público. Em sua dissertação, Cardoso não chega a uma
conclusão devido à falta de recursos que lhe permitam aprofundar o tema. Mas hipotetiza que:

 

2.2. Do teatro romano ao elisabetano

Com o passar do tempo, a civilização grega perde muito de sua força e vemos surgir uma nova potência: o
império romano.

Altamente influenciada pelo modelo de teatro grego, Roma não possuiu um teatro permanente até o ano
de 55 a.C., mas, segundo é dito, enormes tendas eram erguidas, com capacidade para abrigarem cerca de
40.000 espectadores.

Apesar do forte embasamento nos moldes gregos, o teatro romano criou suas próprias inovações, com a
pantomima, em que apenas um ator representava todos os papéis, com a utilização de máscara para cada
personagem interpretado, sendo o ator acompanhado por músicos e por coro. Assim como no teatro grego,
não há documentação que comprove um pensamento na elaboração da luz nos edifícios teatrais romanos.

Com o advento do Cristianismo, o teatro não encontrou apoio de patrocinadores, sendo considerado
pagão. Desta forma, as representações teatrais foram marginalizadas. O ‘renascimento’ do teatro se deu,
paradoxalmente, através da própria Igreja, na Idade Média, com a representação da história da ressurreição
de Cristo. A partir desse momento, o teatro era utilizado como veículo de propagação de conteúdos bíblicos,
tendo sido representados por membros do clero. As apresentações, a princípio, eram feitas no interior das
igrejas, durante a missa. Utilizava-se, então, a luz usual da missa, isto é, a luz de velas e do sol que entrava
pelas janelas.

À medida que essas encenações ganharam popularidade, passaram a acontecer durante a Semanas Santa
nas praças e outros locais abertos durante o dia, usualmente durante feiras.

Foi mais notadamente na Itália que o teatro renascentista rompeu com as tradições do teatro medieval. Houve
uma verdadeira recriação das estruturas teatrais na Itália, através das representações do chamado teatro
humanista. Esses atores italianos eram, geralmente, amadores, embora já no século XVI tenha ocorrido
um intenso processo de profissionalização dos atores, com o surgimento da chamada Commedia Dell’Arte,
em que alguns tipos representados (como o avarento e o fanfarrão) provinham da tradição do antigo teatro
romano, que sobreviveu aos séculos sendo apresentado em palcos nas ruas e praças. Desenvolvida por
grupos itinerantes, seu palco consistia em pequenas plataformas elevadas com um espaço fechado por
cortinas para os atores.

Projeto.cdr

Devido às muitas viagens que as pequenas companhias de Commedia DellArte empreendiam por toda
a Europa, este gênero teatral exerceu grande influência sobre o teatro realizado em outras nações. Um
dos aspectos marcantes nesse teatro foi a utilização de mulheres nas representações, fato que passou a se
estender para os outros países.

Na Espanha, atores profissionais trabalhavam por conta própria, sendo empresariados pelos chamados
autores de comédia. Anualmente, as companhias realizavam festivais religiosos e, sobretudo no século
XVII, as representações nas cortes espanholas encontravam-se fortemente influenciadas pelas encenações
italianas.

As companhias ambulantes, dos períodos Elisabetano e Jacobino, nos séculos XVI e XVII, foram responsáveis
pela manutenção do rito teatral em sua forma popular mais natural e expressiva, baseada livremente no
teatro de rua italiano, a já citada Commedia Dell’Arte.

Todas as formas de encenação descritas acima são feitas em espaços totalmente abertos, expostos às ações
da natureza. Em contraponto a este tipo de encenação, trazemos outra forma de arquitetura teatral que
também sofre influência natural, mas que é considerado um espaço edificado, o teatro elisabetano.

É curioso que o palco popular elisabetano, os “corrales” da Idade do Ouro na Espanha e mesmo o teatro da corte de
Luís XIV na França tenham evoluído livremente deste tipo de teatro de rua. Sinais da Commedia Dell’Arte estão sempre
presentes nas comédias de Shakespeare. (STYAN, 1975, pág. 115)

Estes teatros conservaram muito da antiga simplicidade medieval. Certas escavações arqueológicas do final
do século XX mostraram que, apesar dos teatros ainda possuírem suas diferenças individuais, sua função
comum fazia com que todos seguissem um simples esquema geral. Inspirado em sua origem nos circos da
época para a luta entre ursos e cães ou nas hospedarias, estabelecimentos baratos de províncias, o edifício
teatral consistia em uma construção muito simples, de madeira ou de pedra, frequentemente circulares
e dotados de um amplo pátio interno, fechado ao redor e sem teto. A estrutura cilíndrica acomoda três
galerias de espectadores, sendo a mais alta protegida por um telhado inclinado para dentro. O círculo
fechado do auditório é acessível por dois lances de escadas pelo lado de fora. O amplo pódio de atuação,
denominado proscaenium, projeta-se na arena interna descoberta. Duas portas levam ao mimorum aedes,
camarins e contra-regragem. Em cima há uma galeria coberta por um toldo suportado por pilares. Esta
poderia ser ocupada por músicos, tornar-se parte da peça como um palco superior ou servir de camarote.
Acima dessa galeria, eleva-se um estreito atiço com duas janelas e um balcão à direita. Dali o corneteiro
anunciava o começo da apresentação.

A existência de um espaço teatral representa um avanço em relação à Idade Média, quando as peças
eram apresentadas em igrejas ou em praças. A estrutura física do teatro elisabetano permite uma maior
aproximação do ator com a plateia. Havia uma parte do palco que se estendia até quase o meio de onde
ficavam as pessoas, em pé. Dessa forma, a plateia assistia às encenações muito perto dos atores e, por vezes,
podia tocar nos figurinos e expressar suas opiniões sobre a ação ou a atuação dos atores em voz alta.

Projeto.cdr


O teatro elisabetano era extremamente popular e democrático. A ele todas as classes tinham acesso, em
espaços distintos, pagando preços diferenciados. Havia a nobreza, as autoridades, os comerciantes, o povo,
os desgarrados, enfim, uma profusão de pessoas e personalidades.

Projeto.cdr


As apresentações precisavam aproveitar a luz do sol, por razões óbvias, assim, costumavam começar por
volta das 15 horas e terminar no máximo às 17, só ocorriam durante o verão e também eram suspensas
quando havia surto de pestes. Os teatros passaram a ser pontos de encontro e de transações de diversos tipos:
prostitutas atendiam clientes durante as encenações, vendedores ambulantes anunciavam seus produtos,
credores e devedores se encontravam e, por vezes, desentendiam-se. Não era um ambiente silencioso e
harmonioso, era antes uma mistura fervilhante de humores e interesses diversos e, por vezes, divergentes.

 

3. A luz natural na cena atual

Talvez, uma das maiores dificuldades sobre o tema da luz natural no teatro tenha sido encontrar referências
de uso atuais.

Verdade seja dita, os grupos de teatro de rua sempre estiveram presentes no cenário teatral e, pelas próprias
condições de execução de seu trabalho, lidam diretamente com a luz natural. No entanto, há uma diferença
entre utilizá-la por tratar-se de única opção ou utilizá-la como elemento dramatúrgico na cena.

Nesse sentido, buscamos referências de trabalhos que desenvolvessem o conceito e pudessem oferecer alguma
forma de pensamento mais elaborado a respeito da relação luz/encenação. Foi quando nos deparamos com
o espetáculo “Hysteria” do Grupo XIX de Teatro.

Tendo sido esse o caso em que acreditamos ter visto a mais bem resolvida relação da encenação com a luz,
optamos por focar nossa atenção nesse trabalho específico.

 

3.1. Estudo de caso: espetáculo Hysteria, do Grupo XIX de Teatro
3.1.1. Do grupo e seu trabalho

A formação do espetáculo “Hysteria”, e concomitante a formação do Grupo XIX de Teatro, se deu
dentro dos meandros da USP no ano de 2000. Tratava-se, inicialmente, de exercício de uma disciplina
ministrada pelo diretor Antônio Araújo onde se propunha a criação de uma cena pela abordagem do
processo colaborativo.

O tema: histeria no Brasil do século XIX. Com um conceito de pesquisa bastante consistente, os artistas do
grupo valeram-se das mais diversas fontes pra fundamentar seu trabalho.

Segundo os integrantes:

(…) no intuito de enraizarmos nossa pesquisa em um solo mais orgânico e mais fértil, optamos pela história marginal à
oficial. A história da mulher supõe, especialmente, rememoração e tradição oral, características típicas de sua personalidade.
Na busca de fazer ecoar a voz embargada da mulher, somamos boletins de ocorrência, laudos médicos, jornais cariocas
da época, anotações íntimas, retratos posados e tirados por mulheres, diários publicados e cartas esquecidas; e também a
valorização da longevidade das vozes roucas de nossas mães, tias e avós (GRUPO XIX DE TEATRO, 2006, pág. 59).

Ainda nessa fase, iniciou-se uma pesquisa também imagética/espacial do tema. Após deliberações, chegou se
a “três referências determinantes na pesquisa que constituíram o desenho do espetáculo”:

 Projeto.cdr

 

3.1.2. Da apropriação do espaço

Em um trabalho de 18 meses de ensaios matinais numa sala das dependências da universidade é que se dá
o desenvolvimento do trabalho. Já aqui, nota-se a escolha que seria feita por uma abordagem de elementos
que fossem naturais ao espaço.

Sua características arquitetônicas, como estilo, proporções entre altura e largura, formato (quadrado, retangular ou
outro), materiais (revestimentos do piso, paredes e teto), cores, quantidade e formato das aberturas (se houver), enfim, toda
a ambiência geralmente influencia as escolhas. (BOLLELI, 2010, pág. 24)

E mais, para a atriz Sara Antunes:

Na EAD, consegui ver a arquitetura real daquela sala. A gente usava a parede, a janela, o chão, eles eram elementos que
ajudavam a gente a narrar. Não estávamos investigando nada em cima deles, a gente usava o espaço como ele é. ‘Hysteria’
fez por muito tempo isso.

Portanto, notamos tanto na fala de um quanto de outro essa necessidade de trabalhar a partir do material
concreto e presente desde a sala de ensaios. Assim, a experiência da encenação torna-se algo diferente do
“criar” um espaço, mas sim ocupá-lo e descobrir nele as relações que o discurso escolhido pode ter com o
ambiente ao redor, tornando viva e orgânica essa interação.

 

3.1.3. Da luz

Considerando a necessidade da vivência do espaço, num tempo concreto e presente, a luz foi sendo
incorporada à cena de forma bastante espontânea. A forma como a mesma incidia, suas cores, nuances,
tempos, criavam o próprio desvelar daquela arquitetura característica que os interessou.

As atrizes, ao longo dos ensaios, foram naturalmente buscando esse diálogo com a luz, entendendo a mesma
como mais um elemento daquele ambiente tal qual a textura do chão ou a cor das paredes. Um fator
importante na exploração do tema foi a relação temporal que a luz natural exerce nesse caso.

Sendo a luz natural, ela muda ao longo do dia, apresenta diferentes comportamentos e interfere de forma
diferente sobre o espaço. Isso, pela visão dos integrantes do grupo, torna a experiência mais rica e orgânica.
Renato aponta:

A noção de presença também reforça-se, pois o ato de habitar inscreve-se no agora, no instante, e as possíveis relações entre luz
natural e a cena decorrem da experiência em cada momento. Posteriormente, este elemento passou a ser ‘sistematizado’ pelo grupo,
que adotou a realização das apresentações às 16 horas, a fim de incorporar o movimento do pôr-do-sol e o crepúsculo, tomando-o
como metáfora ao próprio espetáculo, e ainda acompanhando os diferentes climas estabelecidos nas cenas com as variações de
intensidade e coloração.

Dado relevante diz respeito à disposição de como essa luz incide sobre o espaço. Paradoxalmente, apesar
de nos remeter, num primeiro momento, a espaços abertos, a utilização de luz natural penetrando por
brechas e aberturas acaba por acentuar o caráter fechado de uma sala.

Por meio da cartografia de movimentos criada pelas atrizes em cada um dos espaços em que o espetáculo
foi encenado, valoriza-se essa condição de trancafiamento. As personagens relacionam-se com a luz como
símbolo de uma realidade exterior àquela em que vivem. A disposição seriada das aberturas de luz de alguns
dos espaços também foi relevante para o resgate da referência dos sanatórios.

Outro apontamento é o dos objetos no entorno do espaço. Por vezes, esses projetam sombras pra dentro do
mesmo, sombras essas que podem oscilar sob a ação do vento no caso de árvores, dando um movimento
orgânico à luz.

Por fim, de acordo com o próprio grupo:

A história da mulher do século XIX é uma história diurna. A ideia de abdicar dos holofotes a apresentar a peça
utilizando a luz solar, além de uma coerência histórica, aproxima a cena das referências pictóricas da época. (XIX DE
TEATRO, 2006, pág. 60) 16

 Projeto.cdr

3.1.4. Depoimento do responsável pela direção do Grupo XIX, Luiz Fernando Marques,
sobre o espetáculo e a questão da luz natural

As questões abaixo, formuladas ao diretor, e as respostas entremeadas pelas informações e histórias das
tantas locações onde aconteceram as apresentações da peça “Hysteria”, foram resumidamente as seguintes:

Luiz Fernando Marques: O espetáculo se baseia nos conceitos definidos pela pesquisa desenvolvida pelo
grupo, pelo processo de criação advindo da pesquisa e pela ideia de apropriação integral do espaço onde
estivesse ocorrendo a apresentação. E esta regra vale também para a iluminação. Inclusive para as condições
climáticas no momento da apresentação.

O conceito de desenho na iluminação do espetáculo se dá pelo mesmo caminho de apropriação dos
elementos que oferece o espaço.

Tecnicamente, a peça pode ser caracterizada por:

“Hysteria” é uma peça apresentada algumas centenas de vezes pelo grupo, em quase uma centena de locais
diferentes no Brasil e no exterior.

Cada novo espaço configura uma nova criação na forma de ocupação deste lugar e de suas possibilidades
dramatúrgicas.

Cada apresentação depende das possibilidades arquitetônicas do local. Número de portas e janelas, grandes
ou pequenas, se possuem venezianas e/ou cortinas que possam ser abertas e fechadas.

A ideia que permeia o processo é sempre desenvolver uma nova forma de apresentação das personagens
em função das características de cada local. Isso é feito procurando incorporar a história do espaço onde a
peça é apresentada.

Não há generalizações.

As marcações das personagens são readaptadas aos recursos dramatúrgicos oferecidos pelo local.

A iluminação entra em duas camadas:

A iluminação natural entra também na escolha do horário da apresentação, ou seja, definido o horário

têm-se um ângulo, os “desenhos” que esta luz fará no chão do local e a delimitação dos espaços de sombra
e luz. Em geral é escolhido o cair da tarde, como resultado ocorre um “fade out” natural que é incorporado
à apresentação.

Ao mesmo tempo, se o local permitir, usa-se venezianas e cortinas para estabelecer “climas” para a
encenação, com venezianas totalmente abertas (luz geral). Parcialmente fechadas – meia luz (mais trágica)
e totalmente fechadas (“blackout”).

A luz é parte integrante do processo de criação. Faz parte do jogo corporal.

Ela é o elemento de integração dentro da dramaturgia.

O lugar, a marcação das atrizes, é determinado pelos espaços criados pela luz.

É um desafio proposto pelo diretor: tanto para ele como para as atrizes que precisam desenvolver a relação
com o espaço e tudo o que ele oferece em relação à iluminação.

A luz integra o jogo de cena: entrar e sair da luz. Estar no escuro, ficar sob luz num espaço iluminado.

A luz entra também como um signo de liberdade, por exemplo. Já à sombra caberia o signo do aprisionamento.

Inclusive, existe uma fala de uma personagem que, como não cristã, evoca sua fé à luz e reza ao sol.

Isso ocorre num momento da peça em que todas as personagens se ajoelham para rezar juntamente com
várias expectadoras que são convidadas a fazer o mesmo. A personagem “Hercília” diz:

Oh, Sol resplandecente, me ilumine uma mulher brasileira, uma pelo menos, que tendo refletido um pouco sobre sua
condição, perceba sua triste sina de viver em meio a estreitezas e confinamentos, esteja disposta ao meu lado dar um
segundo grito, agora bem mais agudo, de um 15 de novembro feminino, capaz de erguer sobre esta pátria um edifício de
glórias feminis, que as outras mulheres fazem tanta questão de desmoronar. (olha pra NINI) (Hysteria: grupo XIX de
teatro. pág. 30)

Foram tantos os lugares e as situações vivenciados pelo grupo ao longo dos vários anos em que a peça foi
encenada que dariam um livro à parte. Situações privilegiadas como um pôr do sol no rio Guaíba, em Porto
Alegre (RS), que acompanhou o final da encenação depois de dias de chuva, num casarão histórico com
uma janela do tamanho da parede.

Em outra situação, em Londrina (PR), num silo abandonado onde seria feita a encenação, quando o diretor
visitou o local pela primeira vez e comentou com o responsável pelo silo, que o acompanhava, sobre a
beleza da luz que entrava por duas telhas quebradas e de como seria interessante se houvesse outras telhas
quebradas para entrada de mais luz. Ouvindo isso o responsável, no mesmo instante, puxou um revolver e
deu três tiros no telhado, aumentando prontamente a entrada de luz no silo.

 Projeto.cdr

 

4. Proposta de método de uso

Já tendo dissertado sobre exemplos de uso de luz natural no teatro, consideramos importante também
tentar oferecer alguma forma de proposta de uso. Nesse sentido, pelo contato que tivemos com a mesma e
pela consistência de seu trabalho, elegemos o trabalho de Lucia Koch como um possível exemplo de como
a luz natural poderia ser trabalhada de forma a afetar um dado ambiente. Claro que, de nossa proposta de
modelo, ressaltamos a técnica e forma de trabalho utilizadas. Lucia trabalha, basicamente, com instalações
de artes visuais. Em cima do pensamento por ela adotado, há de se colocar a camada do pensamento
dramatúrgico sobre a cena.

 

4.1. Lucia Koch e sua carreira

A artista plástica gaúcha Lucia Koch, que hoje vive e trabalha em São Paulo, tem no cerne de sua pesquisa,
a investigação sobre a luz. Lucia nos instiga a ver além dos pontos de vista convencionais e “arquiteta” a luz
nos ambientes, afirmando que “a luz e o ar são os elementos que ativam um espaço e fazem surgir ali, um
lugar”. Lucia assume a luz como um elemento central à percepção física e afetiva de espaços, o que é um
recurso nuclear de suas obras. Ela emprega fontes luminosas ou campos luminosos dos limites cognitivos
que a arquitetura de uma casa ou prédio impõe a quem os visita ou neles mora.

Seus trabalhos são interações com arquitetura, criando estados alterados do lugar com filtros que atuam
sobre a luz própria de cada ambiente, afetando também quem o frequenta. Imprimindo gradientes de cor
em materiais translúcidos ou recortando superfícies que são usadas em janelas, claraboias ou fachadas, cria
aparatos de comunicação entre dentro e fora, um sujeito e o outro. Segundo o crítico Moacir dos Anjos, a
artista “reorganiza a compreensão visual de espaços, faz uso da luz para atingir seu intento e estabelece um
sentido público para o trabalho, seja pela negociação envolvida em seu processo, seja pelo desconcertante
efeito que ele causa”.

 

4.2. Exemplo de trabalhos

Seguem algumas de suas obras, que julgamos mais relevantes para o tema em questão:

4.2.1. Gabinete (Galpão à beira do rio Guaíba, Porto Alegre, 1999)

Segundo descrição de Felipe Chaimovich: “A instalação, realizada para II Bienal do Mercosul, apropriase
de duas janelas como fontes de iluminação natural de um cômodo existente na beira do rio Guaíba.

Mantendo o padrão geométrico das janelas: a grade ortogonal. Lucia constrói uma matriz cromática pela
composição de filtros que ao longo dos dias, de maneira integrada: as cores suaves, projetadas sobre o chão
desde o começo da tarde, vão lentamente se definindo e escalando colunas, parede e porta, até desbotarem
completamente no pôr do sol. A percepção do tempo torna-se manifesta: tanto no sentido meteorológico,
pois nuvens, chuva ou sol alteram as sequências percebidas, quanto cíclico, dada a modificação imposta
pelas horas do dia.”

 Projeto.cdr

 

4.2.2. Filtro de cor (Galeria Casa Triângulo, São Paulo, 2002)

Desde o final da década de 1990, Lucia reduz o uso de luz artificial e passa a trabalhar mais com filtros,
placas coloridas ou vazadas para alterar a percepção da luz já existente neste local. Quando estes filtros
são colocados em locais onde a luz os atravessa faz com que esta luz preencha os espaços internos de cores
variadas, interferindo na percepção estática que usualmente se tem do lugar. E ainda não é só a ideia de
um espaço interno que é modificada por meio da luz exterior filtrada, também as paisagens externas vistas
destes ambientes, parecem ser prolongação daqueles campos cromáticos que a artista ativou.

 Projeto.cdr

 

4.2.3. Casa de espelhos (Caixa Cultural, São Paulo, 2009)

Trata-se de uma intervenção em que toda a parte externa do espaço expositivo, composta de paredes de
vidro, foi recoberta por uma espécie de renda geométrica de espelho (placas de acrílico cortadas a lazer,
recoberto por uma superfície espelhada). Os encaixes são milimetricamente calculados, formando tramas
diversas e delicadas. O que toda essa intervenção faz é contribuir para a afirmação no imaginário de quem
a vê, de um léxico de padrões decorativos articulados numa sintaxe visual original e fluida, a qual evoca, de
alguma maneira, o que a artista aprendeu com a Matemática Moderna (forma que sua mãe professora, lhe
ensinava matemática).

 Projeto.cdr

 

5. Olhares sobre a luz natural

Aqui separamos alguns depoimentos que conseguimos coletar de alguns profissionais acerca de nosso tema:
A luz natural no teatro.

A esses profissionais, foi perguntado:

 

5.1. Evaldo Mocarzel

Cineasta, documentarista, dramaturgo

Acho muito interessante a utilização da luz natural na cena, mas confesso que, no fundo da minha alma artística, a
mais sincera, acho que o teatro nasce das trevas e por isso precisa de luzes “artificiais” para criarmos atmosferas antes
nunca imaginadas, além, muito além de qualquer realismo ou naturalismo. Como dramaturgo em processo, penso demais
na luz, na alternância de climas, na mudança de cenas, o blecaute no teatro é o fade no cinema, enquanto a ‘deixa’ é uma
espécie de fusão entre uma cena e outra. Como dramaturgo em processo, também penso muito na edição de som, numa
profusão de sonoridades capazes de criar atmosferas e sensorialidades em cada espectador, talvez porque seja também
cineasta e o cinema é o templo da imagem e do som, enquanto o teatro é o templo da atriz, do ator e da palavra, mas
também da luz, das múltiplas possibilidades da luz descortinando mundos antes inexpugnáveis no nosso cotidiano. Já
como documentarista, eu simplesmente adorei documentar os processos do Grupo XIX de Teatro em Estados como Santa
Catarina (foram 18 encenações de ‘Hysteria’ em 21 dias em 18 locações históricas muito diferentes entre si, sempre com
luz natural) e no Acre (aqui o espetáculo foi ‘Hygiene’, também com luz natural na quase totalidade do espetáculo), mas
enfrentamos problemas na filmagem quando o espetáculo atrasava, a luz caía e aí a câmera simplesmente não via as
cenas. Mas amo a luz no cinema e também no teatro. No cinema, a luz natural é uma possibilidade de se fazer filmes na
guerrilha, com baixíssimo orçamento, usufruindo apenas do “HMI de Deus”, que é a luz do Sol. Lembro-me agora de
uma entrevista que fiz com o grande pintor Iberê Camargo, que me disse que ele não se interessava mais pela luz do Sol,
somente pela “luz dos homens”, e por isso estava fazendo aquela série famosa que foi batizada de “Fantasmagorias”, se
não me engano. Como captar a luz do homem com luz natural? Com a luz das ruas? Acho que a opção de luz natural
do Grupo XIX está inserida numa opção muito mais interessante: dialogar com a ‘dramaturgia’ da passagem do tempo
nas locações históricas onde eles fizeram encenações memoráveis de ‘Hysteria’ e ‘Hygiene’. Esse é um tremendo diferencial
de linguagem desse grupo. Logicamente podemos iluminar locações históricas, mas o que o Grupo XIX faz, me parece, é
o diálogo com essa sensorialidade da passagem do tempo nas paredes, portas, janelas e nos assoalhos de tantas locações
históricas aonde eles vêm atuando pelo Brasil. Essa sensorialidade contamina o elenco, o público e inaugura em quem atua
e em quem assiste algo não percebido racionalmente, são cheiros, gostos, mofos, musgos, aromas e texturas que inundam a
encenação de outros sentidos nesse contato com a memória daquelas locações. Como documentarista, potencializando essa
linguagem fragmentária que é o cinema, eu procurei imagens táteis, sensoriais, com cheiro de musgos, líquens e com essa
textura de passagem do tempo nas locações em que filmamos.
Como dramaturgo em processo, penso sempre em diferentes atmosferas com as possibilidades da luz artificial. Logicamente,
se estou interagindo com um grupo que não trabalha na “caixa preta” do palco italiano, que faz site-specific, ou seja,
encenações em locações específicas, intervenções urbanas, penso na luz daquela locação para potencializar a dramaturgia
do futuro espetáculo que estou escrevendo. Acho importante na escritura de um texto se deixar embriagar pelas possibilidades
do espaço, seja num teatro, seja nas ruas durante uma intervenção cênica. Já como documentarista guerrilheiro que sou,
trabalho muito e quase sempre com luz natural e, em muitos momentos, consigo criar atmosferas lindas.

 

5.2. Miló Martins

Light Designer, diretora técnica de eventos

Não propositalmente… uma vez eu fiz um show dos Barba1 ao pôr do sol… e me aproveitei do lúmen… às vezes tirando
totalmente à frente e usando o sol como geral… mas foi um acaso que virou brinquedo. Com o grupo Ares2 o que foi sem
querer virou condição… agora pra descer fachada em prédio espelhado tem que ser durante o dia… à noite o espelho fica
escuro… o fim de tarde é o melhor horário.

 

5.3. Ligia Chaim

Light Designer

Já usei a luz natural vinda das janelas de uma sala para uma performance, ‘Corpo e Plástico’ (2010), da Companhia
Flutuante, no Sesc Pinheiros, no espaço de área de exposições no 2º andar. Lá não havia muito recurso técnico então optei
em usar a luz das janelas até um determinado momento da apresentação e, como num balé, eu fui descendo cortina por
cortina, elas eram do tipo blackout, possibilitando a escuridão total. Essa luz se complementava com outras fontes de luz
elétrica que eu estava utilizando.
Sou muito a favor da luz natural, desde que ela se enquadre no perfil e espaço da apresentação. Geralmente tentamos
reproduzi-la artificialmente dentro do espaço cênico, então por que não usá-la? Para que se use a luz natural é preciso
estudar bem a posição do Sol em cada horário e estação do ano, além disso tem o clima que é indeterminado, possibilitando
outras características da luz.

 

5.4. Alessandra Domingues

Light Designer

Eu comecei a iluminar no Teatro Oficina, um espaço que tem uma janela imensa e um teto retrátil, ou seja, um espaço
que sempre diáloga com a luz natural de uma cidade como São Paulo. A luz da noite também invadia o teatro.
Uma das coisas que mais gostava era operar “Cacilda!” aos domingos, pois começava às 18 horas e contracenava com a
luz do dia. Em tempos de horário de verão era mais gostoso ainda. A primeira parte da peça é mais biográfica, com cenas
de infância, adolescência e começo da vida adulta. Era muito bem vindo um espaço mais claro.
1 Grupo Barbatuques de percussão corporal
2 Referência específica ao espetáculo “Funâmbulos” do Grupo Ares de acrobacia aérea 25
No segunda parte, era o delírio de Cacilda no coma, teatro contracenando com teatro e já era noite! O teatro totalmente
contracenando com a noite e com o próprio teatro. Para mim criava todo um sentido dramatúrgico.
A primeira versão de “Psicose 4.48” foi feita num galpão abandonado em São José do Rio Preto em pleno meio-dia.
Aproveitei as frestas do telhado para sugerir o melhor lugar da cena. Também utilizei espelhos com luz do Sol rebatido
para fazer uma espécie de canhão de luz. Deu certo: criou uma outra camada para a peça.

 

5.5. Guilherme Bonfanti

Light Designer

Acho que é uma experiência a ser pesquisada, ainda incipiente para colocarmos como algo que acontece com frequência.
Acho que poderia ser interessante pensar nesta perspectiva, trabalhos como o do XIX apontam para este caminho, mas não
com a figura de um light designer e sim do diretor. Me pergunto como seria desenvolver um trabalho como light designer
com este desafio colocado. Acho que é uma possibilidade a ser explorada.
Nunca fiz uso consciente e proposital da luz natural, sempre a vi como inimiga…
Além do XIX, com o trabalho do ‘Hysteria’, não saberia dizer outro grupo que use luz natural. Mesmo quando penso
em ‘Romeu e Julieta’, do Grupo Galpão, com direção do Gabriel Villela, não vejo ali um uso intencional da luz natural.
Em geral teatro feito de dia, em espaço aberto, implica em não se fazer o uso da luz.

 

6. Considerações Finais

Durante a pesquisa, tivemos a chance de entrar em contato com um grande volume de informações e
pontos de vista a respeito do tema, que se mostrou muito mais complexo do que pode parecer ao primeiro
contato. O trabalho que fechamos aqui, com certeza, é apenas uma pequena introdução do que pode e deve
ser pesquisado a respeito.

Uma primeira conclusão é que o uso da luz natural no teatro parece, ainda, suscitar mais dúvidas do que
certezas, dúvidas históricas, técnicas e artísticas. Para grupos profissionais do teatro e da área do espetáculo
que buscam novas formas e fontes para desenvolver seus trabalhos, entendemos que a luz natural pode ser
considerada um desafio tanto estético como conceitual.

Historicamente – considerando o início da arte do teatro ocidental –, não conseguimos material e
documentação sobre o pensamento da época a respeito do uso da luz natural. Em nossa pesquisa, deparamonos
apenas com teorias recentes baseadas em suposições, que não confirmam nada, apenas deixam mais
dúvidas sobre a utilização da luz no início dessa arte.

Identificamos três formas do uso da luz natural no teatro. A primeira é aquela que usa a luz natural de
forma espontânea, sem o desenvolvimento de um conceito. Neste caso, ela é usada como um elemento
ambiental que está ali no momento da cena, mas que não recebe atenção como parte estrutural da criação
artística. Como é visto na maioria dos teatros de rua.

Uma segunda forma é aquela que se apropria da luz natural, trazendo-a como elemento constitutivo do
fazer teatral. Elaboram-se conceitos, atribuem-se valores e significados à sua participação no espetáculo,
porém sem interferir na forma como esta incide sobre a cena. É o que ocorreu no espetáculo “Hysteria”,
que destacamos como exemplo neste trabalho.

E, por fim, numa terceira forma, hipotética. Além de tudo que foi citado no segundo caso, ainda se vê
a manipulação da forma como esta luz natural incide na cena, com uso de filtros e outros materiais.
Exemplificamos essa manipulação, com o trabalho da artista plástica Lucia Koch.

Podemos ver, com estes exemplos, que qualquer forma de manipulação da incidência da luz natural sobre a
cena passa obrigatoriamente em alguma escala pelo uso de estruturas arquitetônicas para bloquear e filtrar
totalmente ou parcialmente a luz na cena.

Download do projeto

Tags
Recent Comments
Leave a comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *